Já pensou em investir em ouro? Entenda como funciona



Você sabe como funciona o investimento em ouro? Neste período de instabilidade econômica e, principalmente, da diminuição da rentabilidade das aplicações financeiras de renda fixa com a queda da Selic (atualmente em 3% ao ano), mais pessoas tendem a investir em ouro, ou seja, esse tema se torna ainda mais pertinente.

Está interessado em saber mais sobre esse assunto? Neste post, explicaremos o que é o investimento em ouro, informaremos se é uma boa opção de aplicação financeira e detalharemos como você pode investir nesse ativo. Continue lendo!

O que é investimento em ouro?

Antes de explicar sobre o investimento em si, é importante destacar que o ouro é uma commodity (produtos que funcionam como matéria-prima e que podem ser estocados sem perder qualidade) negociada nas bolsas de valores.

Quem investe em ouro adquire um ativo de renda variável, ou seja, não é possível determinar a rentabilidade da aplicação financeira de forma precisa, pois ela pode variar conforme condições mercadológicas, políticas, ambientais e econômicas, entre outros fatores.

Apesar de ser um investimento de renda variável, o ouro é um dos mais seguros do mercado financeiro. Agora, você deve estar se perguntando: por qual motivo isso acontece?

O ouro é um dos ativos mais antigos do mundo. No entanto, é um recurso escasso atualmente. Devido à baixa oferta dessa matéria, ou seja, de sua escassez, ela ganha valor no mercado, principalmente nos momentos de crises. Por isso, esse ativo é considerado uma proteção para os investidores e bancos centrais em meio a períodos de dificuldades econômicas enfrentados pelos mercados.

Dessa maneira, quem opta pelo ouro minimiza os riscos de sua carteira de investimentos, pois essa aplicação financeira pode ajudar a diminuir possíveis perdas de ativos de risco, especialmente as ações na bolsa de valores.

O ouro é um bom ativo financeiro?

Considerando as características mencionadas acima, sem dúvida o ouro é um excelente investimento financeiro. Trata-se de uma ótima alternativa para os investidores que desejam assegurar proteção ao patrimônio e, ao mesmo tempo, ter acesso a melhores rentabilidades. É um ativo seguro e rende mais do que os ativos de renda fixa (aplicação financeira que apresenta regras de rentabilidade definidas no momento da aquisição do título). 

Dessa maneira, podemos dizer que o ouro é um excelente ativo para quem deseja opções de investimento mais rentáveis do que a renda fixa e ao mesmo tempo sejam seguros, ou seja, que ajudam a proteger o patrimônio contra grandes perdas.

Essa característica é extremamente útil, pois nos tempos atuais da pandemia do coronavírus, os títulos de renda variável estão oscilando bastante, e muitas ações têm perdido bastante valor de mercado. 

Não é uma opção segura destinar todo o patrimônio nas alternativas de renda variável, pois há uma grande probabilidade de o investidor perder todo o dinheiro. Ao investir em ouro, você está diversificando e garantindo mais segurança ao seu patrimônio.

Como investir em ouro?

Não há muitos segredos em relação a essa pergunta. Para começar a investir em ouro, é necessário procurar uma instituição financeira (pode ser uma corretora ou banco, por exemplo) e fazer sua primeira aplicação no ativo.

Após passar por esse simples procedimento, você já vai iniciar as aplicações nesse ativo e, consequentemente, poderá desfrutar de todos os benefícios que os investimentos em ouro proporcionam, especialmente nos períodos de crise, como o atual.

Nesse momento, é comum surgir a seguinte dúvida: quais os ativos oferecidos? Você pode comprar ouro por meio dos contratos futuros oferecidos pela bolsa de valores. Além disso, é possível adquirir fundos de investimento e o próprio material físico, também conhecido como barras de ouro.

Como funciona o ativo?

É muito importante entender detalhadamente as características gerais dos investimentos em ouro. Dessa forma, será possível saber, de forma precisa, se esse ativo está de acordo ou não com seu perfil de investidor e com suas necessidades. Esse conhecimento é fundamental, pois o ajudará a fazer melhores escolhas no mundo de investimentos.

Pensando nisso, na sequência do artigo, explicaremos sobre as características principais do ativo, ou seja, as que envolvem rentabilidade, segurança e prazo (curto, médio ou longo).

Rentabilidade

Como existem diferentes maneiras possíveis de investir em ouro, é difícil estabelecer um parâmetro fixo e exato de rentabilidade. Não podemos dizer, por exemplo, que todos os ativos baseados nessa commodity valorizarão 40% nos próximos 12 meses.

Isso porque os contratos futuros, os fundos de investimento e o material físico apresentam rendimentos diferentes. O fundo é como se fosse uma cesta de aplicações, ou seja, pode apresentar inúmeras possibilidades de composição e de rentabilidades. Essa característica, por si só, torna difícil mensurar o desempenho de todas as aplicações baseadas em ouro.

Segurança

Apesar de ser um ativo de renda variável, o ouro é um dos ativos mais seguros do mercado financeiro. Isso ocorre devido à sua escassez. Dessa forma, o investimento costuma valorizar nos momentos de crise. Com isso, podemos afirmar que se trata de uma das melhores formas de proteger o patrimônio.

Por outro lado, é preciso estar atento em relação a algumas questões. Primeiramente, esse ativo não tem cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Se a instituição financeira, por exemplo, der o calote e não for possível fazer o resgate do investimento, você perderá todo o valor aplicado.

A melhor forma de se proteger dessa situação é fazendo o investimento em instituições financeiras confiáveis, pois elas apresentam baixo risco de crédito. Procure empresas que tenham boa reputação, ou seja, aquelas que recebem nota A pelas agências de classificação de risco, como a Moody’s e a Standard & Poor’s.

Prazo

Assim como a rentabilidade, os prazos também são variados. Há fundos e contratos de curto, médio e longo prazo. A escolha dos prazos varia conforme o objetivo e o perfil do investidor. 

O ouro é uma das melhores formas de proteger o patrimônio contra grandes perdas e, ao mesmo tempo, assegurar boas rentabilidades. Considerando essas características abordadas, vale muito a pena incluir esse ativo na sua carteira de investimentos.

Você gostou deste artigo explicando como investir em ouro? Assine já nossa newsletter e receba outros conteúdos incríveis sobre o assunto em primeira mão, no seu e-mail.


Luana Dennis

Luana Dennis é analista de conteúdos da WeInvest. Como uma grande entusiasta das transformações que a educação financeira e o investimento inteligente e estratégico podem trazer na vida das pessoas ela visa sempre acompanhar de perto o mercado financeiro para produzir conteúdos de alto padrão.


Posts populares: