fbpx Fundo Garantidor de Crédito: saiba como protegem seus investimentos

Você sabe o que é Fundo Garantidor de Crédito? Nós explicamos!



Sabemos que a distribuição de carteira é muito importante e que os ativos de renda fixa são os mais seguros do mercado. Estes ativos, que atendem, em geral, a um perfil de investidor mais conservador, têm menor rentabilidade, mas também têm pouquíssimo risco. Isto porque alguns dos ativos de renda fixa são protegidos pelo FGC. Neste post, nós explicamos o que é o Fundo Garantidor de Crédito e quais são suas garantias para investimentos.

O que é o Fundo Garantidor de Crédito?

O FGC é uma associação civil privada sem fins lucrativos que busca proteger investidores, proteger o sistema financeiro nacional e prevenir uma crise bancária sistêmica no país. Desta forma, o FGC pode dar a determinados ativos uma solvência, caso a empresa venha a falir ou ser liquidada.

Em outras palavras:  o sistema financeiro é responsável pela intermediação entre tomadores e poupadores de recursos. Desta forma, produtos como letras de crédito e debêntures ajudam empresas e instituições financeiras a prospectar recursos para financiamento de projetos. No entanto, sempre há o risco de falência destas instituições. O FGC age buscando dar aos investidores de alguns destes produtos uma garantia.

Como o Fundo Garantidor de Crédito funciona?

Algumas instituições financeiras doam mensalmente 0,00125% de todo o capital investido por seus investidores através de financiamento. A partir daí, o FGC junta capital para conseguir a garantia necessária no caso de insolvência de algum produto financeiro.

Na quebra de um banco, o FGC age cobrindo investimentos (por letras de crédito, por exemplo) e depósitos.

Nesta perspectiva, caso uma empresa feche as portas, é necessário que emita um relatório com todos os CPFs e CNPJs e seus respectivos ”reembolsos” pelo Fundo Garantidor de Crédito.

O banco deve, a partir daí, realizar o termo de cessão e deve realizar os pagamentos em até seis meses. Durante este intervalo entre o processo de falência ou solvência, o dinheiro aplicado não rende.

A partir daí, o FGC escolhe determinada agência para que o investidor consiga sacar a quantia a ele garantida. Assim que o recebe, deve assinar este mesmo termo de cessão, comprovando que recebeu a quantia garantida pela organização.

Quais ativos estão protegidos pelo FGC?

As letras de câmbio, letras imobiliárias e hipotecárias, CDBs, LCIs e LCAs e depósitos à vista, à prazo e depósitos de poupança representam ativos que estão protegidos pelo FGC. É importante ressaltar que o FGC protege apenas títulos de renda fixa privados.

Não são instituições associadas ao FGC: sociedades que emitem títulos de capitalização, seguradoras, clubes de investimento e sociedades de previdência privada.

O limite por CPF ou CNPJ, independente do dinheiro investido, é de R$250.000,00, com teto de R$1.000.000,00 para cada investidor, a cada 4 anos. Portanto, não recomendamos investimento maior que a quantia de R$250.000,00 para cada CPF num mesmo ativo protegido pelo FGC.

São instituições associadas ao FGC: bancos de investimento, sociedades de crédito imobiliário ou de financiamento, companhias hipotecárias e associações de poupança e empréstimo.

Mas… e o Tesouro Direto e debêntures?

O Tesouro Direto não é coberto pelo Fundo Garantidor de Crédito porque já tem a garantia do Governo Federal, responsável pela emissão destes títulos. Desta forma, apresenta uma categoria de investimento mais segura que os próprios ativos garantidos pelo FGC.

Caso haja uma sucessão de falências de instituições financeiras e uma crise de todo o sistema bancário, o Governo seria incapaz de pagar os rendimentos dos seus títulos. No entanto, isto nunca aconteceu na história, em nenhum país. Por isto, são investimentos ainda mais seguros que os garantidos pelo FGC.

Já as debêntures não têm garantia do FGC porque têm mais riscos que as letras de crédito. Por ter muito risco, o leitor assíduo da WeInvest sabe que, também, são mais atrativas em termos de rentabilidade.

Portanto, se você investe em debêntures pela sua alta rentabilidade em relação aos produtos garantidos pelo FGC, recomendamos novamente uma boa diversificação entre seus ativos, pois estes são produtos de renda fixa mais arriscados.

Agora, sabendo qual a função do Fundo Garantidor de Crédito na renda fixa, recomendamos também este post sobre os melhores investimentos de 2021!


Clara Sodré

Graduanda em Relações Internacionais com especialização em mercados financeiros, copywriting e comércio exterior. Pesquisadora voluntária em cooperação internacional europeia. Monitora no núcleo de Economia Política Internacional. Apaixonada por educação financeira e produção de conteúdo.


Posts populares: