fbpx Fundos imobiliários ou renda fixa, qual o melhor para mim? - WeInvest

Fundos imobiliários ou renda fixa, qual o melhor para mim?

fundos imobiliários

Fundos imobiliários ou renda fixa? Quando o assunto é investimento um dos principais pontos é, como você fará a diversificação da sua carteira de investimentos. Entenda a principal diferenças entre esses dois tipos de investimentos e qual o melhor pra você.

Para você ter noção, enquanto o Estados Unidos e Japão tem, respectivamente, cerca de 55% e 45% da população investindo em ações, enquanto o Brasil tem uma pequena parcela de 3,5% em fevereiro de 2021.

Assim, muitos brasileiros sequer conhecem as classes de investimentos em renda variável existentes no mercado. A maioria dos brasileiros conhecem apenas os tradicionais títulos de renda fixa e a poupança

E, não te julgo por isso, afinal, foi isso que nos ensinaram a vida inteira. Hoje te mostrarei que existem outras opções de investimentos além da renda fixa e da bolsa de valores. 

SELIC BAIXA, RETORNO BAIXO

A Selic, nada mais é do que a taxa básica de juros, ela é responsável pelo custo do crédito no Brasil. Assim, nos últimos anos, batemos recordes históricos dessa taxa, ou seja, tivemos um custo cada vez menor para o crédito. 

Juntamente com o custo crédito, uma parte desses investimentos como o Tesouro Selic está vinculado a esta taxa. Dessa forma, quanto menor a taxa de juros, menor vai ser a rentabilidade desses investimentos.

Isso não quer dizer que os outros investimentos de renda fixa poderão trazer melhores resultados para sua carteira de investimentos. Na verdade, a Selic de forma geral está associada à economia do país como um todo. Por isso, impacta em outros investimentos como nos ativos associados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário) que geralmente é o benchmark dos outros produtos de renda fixa.

RENDA FIXA AINDA É UM BOM INVESTIMENTO?

Há alguns anos, investir nesse tipo de ativo (renda fixa) proporciona um ótimo retorno pois tínhamos no país uma taxa de juros elevada, além de ser seguro, um fator que o brasileiro preza tanto. 

Como vemos no gráfico abaixo, a taxa Selic (taxa básica de juros da economia), está no patamar mais baixo já visto no Brasil. Isso faz com que a rentabilidade dos títulos de renda fixa também seja bem menor.

Selic: por que o Banco Central subiu a taxa de juros e quais são as consequências | Economia | G1

 

A poupança, por exemplo, possui sua remuneração tendo como base esta taxa (SELIC). Enquanto em 2003 ela rendia quase 1% ao mês, hoje rende apenas 0,371%.

Para entender melhor como funciona a remuneração da poupança clique aqui. 

Os demais títulos de renda fixa também são influenciados pela taxa de juros. Por isso, atualmente não estão apresentando rendimentos tão consideráveis.

Um CDB de um grande banco com vencimento em 5 anos, por exemplo, possui uma rentabilidade de 123% do CDI, o que corresponde a quase de 5,3% ao ano ou menos de 0,5% ao mês, e esses valores são brutos sem descontar IR (Imposto de Renda), ou seja, a rentabilidade real é ainda menor.

Dessa forma, o ideal para um investidor é desbravar novos mercados e tentar maximizar seu retorno. Para isso, é necessário sair da zona de conforto, mas de forma consciente. Sendo assim, os fundos imobiliários surgem como uma ótima alternativa.

ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O QUE SÃO OS FIIs

Os fundos de investimento imobiliário (FII) representam um conjunto de investidores, que juntam seu dinheiro em busca de uma finalidade comum. Dessa forma, os recursos destinam-se ao desenvolvimento de empreendimentos imobiliários. Como, construção de imóveis, aquisição de propriedades prontas, locação ou arrendamento.

Os fundos podem investir em diversas classes de imóveis como estabelecimentos comerciais, shopping centers hospitais entre outros. Por lei, eles devem distribuir aos seus cotistas, no mínimo, 95% do lucro auferido. De maneira que, o investidor receberá esse lucro de forma proporcional a quantidade de cotas que possui.

Como investir em fundos imobiliários? Aprenda a fazer boas escolhas

OS PRINCIPAIS TIPOS DE FUNDO IMOBILIÁRIO

Existe mais de uma possibilidade para você investir nas famosas FII’s. Dessa forma, após reconhecer os seus objetivos e alinhá-los à sua carteira, torna-se mais fácil a tomada de decisão sobre o tipo de Fundo Imobiliário mais adequado para você.

As FII’s se diferenciam pela sua forma de aplicação, estratégia de investimento e risco específicos e são classificadas pela Anbima da seguinte forma:

  • Desenvolvimento para renda: São voltados para a compra ou construção de imóveis para alugar (shopping ,Galpões, Hotéis, …) e posteriormente rentabilizam os investidores em forma de dividendos proporcional a quantidade de cotas de cada investidor.
  • Desenvolvimento para venda: Diferentemente do anterior, esse tipo de FII utiliza o capital para a compra de imóveis em períodos em que o mercado está mais retraído com a finalidade de vendê-los em uma situação econômica mais aquecida.
  • Renda: Este é específico para a aquisição de empreendimentos imobiliários que estão construídos e buscam gerar renda com aluguéis e arrendamentos.
  • Títulos e valores mobiliários: São aqueles que que aportam o seu patrimônio líquido em  ações, cotas societárias, recebíveis e fundos creditórios, fundo de participação que estão associados ao mercado imobiliário.
  • Híbridos: Fundos que não possuem uma das estratégias acima para como prioritária.

Fundos Imobiliários: em qual investir?

CONHEÇA AS PRINCIPAIS VANTAGENS DOS FIIS

Assim, após conhecer uma as vantagens do  FII’s  frente aos investimentos tradicionais de renda fixa.

Baixa aplicação mínima

Nos fundos imobiliários, as aplicações mínimas giram em torno de R$100,00. Esse é um valor bem mais baixo que o de um apartamento ou qualquer outro imóvel.

Acessibilidade e simplicidade

Por meio dos fundos é possível investir em diversos tipos de imóveis como shoppings, hospitais, hotéis, entre outros. Assim, dificilmente um investidor comum seria capaz de realizar esses investimentos fora de um fundo imobiliário.

Diversificação

Embora, a maior parte dos fundos seja dedicada para um tipo de ativo imobiliário específico, alguns possuem uma carteira diversificada. Assim, a mistura de imóveis num mesmo portfólio, o risco diminui.

Custos baixos

O investidor deve se preocupar apenas com as taxas de administração do fundo. Pois, são mais baratas do que os valores envolvidos nas negociações diretas com imóveis que envolvem gastos com escritura, ITBI, taxa de corretagem, entre outros.

Liquidez

As cotas são negociadas em Bolsa, reduzindo o risco de não conseguir vender o ativo. Dessa forma, o valor é transferido para a conta do investidor 3 dias após a venda, sem complicações burocráticas.

Rendimentos líquidos de IR

Pela lei que regulamenta os FIIs, 95% dos rendimentos e ganhos líquidos do investimento devem ser distribuídos. Ou seja, os aluguéis, e esses rendimentos mensais estão livres do pagamento de imposto de renda para investidores pessoas físicas.

O MOMENTO IDEAL PARA INVESTIR EM FUNDO IMOBILIÁRIO

A queda da taxa Selic prejudicou muitos os investimentos em renda fixa, porém esse movimento beneficia os fundos imobiliários. Com um juros real (rendimento do investimento em um período menos a inflação mensurada naquele mesmo espaço de tempo) próximo de 4%, os FIIs ficam mais atrativos.

Isso ocorre porque, em um cenário de redução da taxa de juros, a tendência é que todas as outras taxas do mercado também sejam reduzidas. Assim, resultando em uma situação de crédito mais barato. Ou seja, mais acessível, às empresas e às famílias brasileiras. Por consequência, existe uma tendência de que haja um incentivo ao consumo.

Com o aumento do consumo, a demanda por bens e serviços aumenta, estimulando as empresas a investirem.

Dessa forma, o mercado consumidor se expandindo e as empresas crescendo, o segmento imobiliário se beneficia. Sendo assim, a vacância (parcela não alugada de um imóvel) cai e os preços dos alugueis dos imóveis sobem, o que contribui positivamente para os fundos imobiliários.

FII É UM INVESTIMENTO SEGURO?

No que diz respeito a regulamentação sim, pois os Fundos Imobiliários são supervisionados pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) e pela B3. Contudo, isso não desqualifica uma parcela de risco nos investimentos.

Assim como, a influência de acontecimentos externos, que durante o ano de 2019 o Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) registrou uma alta de 36%. O advento da pandemia global os investidores viram seus rendimentos se dissolverem em 82% de janeiro a maio de 2020, segundo levantamento feito pelo clube FII. Isso porque muitos empreendimentos tiveram que atrasar os pagamentos devido a falta giro na economia causada pelos lockdowns.

Contudo, segundo o especialista em Fundos de Investimentos Imobiliários da Suno Research, Marcos Baroni, “os FIIs têm um componente fundamental que os tornam mais atrativos para qualquer perfil: a renda mensal recorrente, que dá maior previsibilidade para o investidor”.

EXPANSÃO DO MERCADO DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS

Não só a quantidade de FIIs no Brasil cresceu consideravelmente nos últimos anos, conforme ilustra o gráfico abaixo, como o setor imobiliário se valorizou como um todo.

Economatica | Insights

Entretanto, antes de investir em um FII você deve saber se esse investimento está alinhado com seu perfil e objetivos. Caso você seja completamente avesso aos riscos, o melhor será manter a maior parte dos seus investimentos em ativos mais seguros, mas sempre buscando alternativas, como a realização de gestao ativa, para maximizar o retorno.

Além disso, é importante que você analise alguns pontos antes de investir num fundo imobiliário, de forma a escolher aquele que mais combine com você.

Para saber o que deve ser levado em consideração antes de escolher um fundo mobiliário para investir, clique aqui.

ESCOLHA INVESTIMENTOS ALINHADOS AO SEU PERFIL

Para que você saiba qual a parcela de seus investimentos deve alocarem F undos Imobiliários ou Renda Fixa de forma que permaneça alinhado a seu perfil, sem se expor demais e sem perder oportunidades de potencializar seus investimentos, nós da WeInvest podemos te ajudar. Oferecemos-lhe assessoria gratuita e te deixaremos por dentro das melhores oportunidades do mercado.

Não perca tempo, deixe seus dados conosco e te ajudaremos a montar uma carteira personalizada e que se encaixe exatamente em seu perfil e esteja de acordo com seus objetivos.

Conheça os tipos de COE existentes no mercado


Luana Dennis

Luana Dennis é analista de conteúdos da WeInvest. Como uma grande entusiasta das transformações que a educação financeira e o investimento inteligente e estratégico podem trazer na vida das pessoas ela visa sempre acompanhar de perto o mercado financeiro para produzir conteúdos de alto padrão.


Posts populares: