[ABRIL/20] Aprenda de uma vez como calcular juros compostos



Você sabe como calcular juros compostos? A matemática financeira é um tema que assusta muitas pessoas e, por tabela, vários investidores, especialmente os iniciantes, têm dificuldades no assunto. Nesse contexto, os juros são um dos principais temas dessa ciência e também exercem grande influência no mundo dos investimentos.

É comum surgir a seguinte dúvida: por qual motivo esse cálculo é tão importante para quem deseja fazer aplicações financeiras? Isso acontece porque o rendimento dos ativos é calculado utilizando-se os juros compostos, ou seja, os juros sobre os juros. Dessa forma, caso saiba fazer o cálculo, será possível ter uma previsão mais precisa sobre o quanto o seu ativo vai render, e, consequentemente, qual é o melhor momento para fazer o resgate.

Está interessado em saber mais sobre assunto? Este post explica detalhadamente o que são os juros compostos, como eles influenciam os investimentos, como fazer o cálculo, além de abordar a importância de entender sobre o assunto para fazer melhores investimentos. Acompanhe!

O que são os juros compostos?

Os juros são a remuneração de um determinado valor que foi emprestado. Os juros compostos são uma das formas de se fazer o cálculo da remuneração. Podemos resumi-los em uma expressão: “juros sobre juros”. Afinal, o cálculo é determinado a partir do montante formado no período anterior (pode ser no último mês ou no último ano).

Nos títulos públicos, por exemplo, você empresta dinheiro ao governo. Nas ações na bolsa de valores, os investidores aplicam o seu dinheiro com a intenção de comprar parte do capital social de uma organização e ajudam as empresas a realizarem os investimentos necessários. Em ambos os casos, os investidores esperam receber, quando fizerem o resgate, o valor investido mais os juros.

Dessa forma, os juros compostos são um estímulo para que você mantenha o seu dinheiro investido em uma aplicação financeira. Isso porque a principal característica de uma aplicação desse tipo é acumular juros sobre juros.

Com isso, é possível dizer que quanto maior for o tempo que você permanecer em um investimento que apresenta esse rendimento exponencial, maior será o seu rendimento e, consequentemente, o montante arrecadado quando decidir fazer o resgate de uma determinada aplicação financeira.

Como os juros influenciam nos investimentos?

Muitas pessoas têm uma imagem negativa dos juros compostos, pois são bastante presentes nos empréstimos junto às instituições financeiras, no cheque especial e no rotativo do cartão de crédito. 

Dessa forma, quando o indivíduo adquire uma dívida em qualquer uma dessas modalidades (seja para fazer um investimento para a sua empresa, seja para cobrir despesas pessoais, por exemplo), o valor da despesa cresce rapidamente devido às taxas de juros, tornando difícil pagá-la.

Apesar dessa questão, os juros compostos não têm somente esse efeito maléfico. Eles também beneficiam os investidores. Vale destacar que a rentabilidade dos investimentos é medida e calculada sobre essa modalidade de juros. Assim, quanto maior for o tempo que você deixar a sua aplicação financeira guardada em uma instituição financeira, maiores serão os seus rendimentos na hora do resgate.

Os juros compostos também ajudam as pessoas a realizarem os sonhos, por exemplo, abrir uma nova empresa, expandir um negócio, fazer um intercâmbio ou uma viagem internacional etc. Com o planejamento financeiro adequado ao seu perfil de investidor e, principalmente, a realidade financeira, é possível alcançar esses e outros objetivos.

Como calcular juros compostos?

Não há muitos segredos em relação a essa pergunta. Basta aplicarmos a seguinte fórmula matemática:

M = C x (1+i)t

Na qual:

M — montante

C — capital inicial

i — taxa de juros

t — tempo

Vamos a um exemplo para deixar esse cálculo mais claro. Suponhamos que tenha feito uma aplicação financeira de R$150.000,00 a uma taxa de juros de 6% ao ano. Qual será o valor do resgate, ou seja, o montante daqui a 36 meses?

Primeiramente, é preciso fazer a conversão. A taxa de juros no exemplo acima é anual e pede-se o montante daqui a 36 meses. Vale destacar que esse período corresponde a 3 anos. Dessa forma, aplicaremos a fórmula de cálculo dos juros compostos da seguinte forma:

M = C x (1+i)t

Então:

M = 150.000 x (1+0,06)³

M = 150.000 x (1,06)³

M = 150.000 x 1,19

M = R$ 178.652,40

Portanto, a pessoa resgatará R$ 178.652,40 após 36 meses, ou seja, ela terá um retorno de R$ 28.652,40 em apenas três anos. Viu como esse conceito é importante e influência diretamente a rentabilidade?

Quais são os fatores que influenciam o cálculo?

Existem diferentes aspectos que influenciam a seguinte pergunta: como calcular juros compostos? O conhecimento disso ajudará você a obter melhores resultados com os investimentos.

Capital inicial

O aporte inicial é um dos principais fatores que influenciam o cálculo. Isso porque é sobre ele que incidirá a taxa de juros. Quanto maior for o capital inicial, maior será o efeito multiplicador com o passar do tempo.

Investimentos adicionais

Assim como o capital inicial, os investimentos adicionais que você fizer durante o período de vigência de uma aplicação financeira ou um fundo de investimento intensificarão o efeito exponencial dos juros compostos.

Taxa de juros

A taxa incide sobre um montante e ela determina com qual velocidade o seu patrimônio crescerá. Quanto maior for a taxa, maior será a rentabilidade da sua aplicação financeira.

Tempo

Não há muitos segredos em relação a essa questão. Quanto maior o prazo que você permanecer com o seu investimento, maior será o montante final, ou seja, melhor será a rentabilidade da sua aplicação financeira.

Qual é a importância de entender sobre o assunto?

Quem entende sobre esse assunto consegue fazer melhores investimentos e prever melhor qual será a rentabilidade e o retorno das aplicações financeiras. Considerando todos esses aspectos, é fundamental conhecer a dinâmica dos juros compostos.

Como você pode ver, o cálculo dos juros compostos é extremamente importante para os seus investimentos. Portanto, quem conhece esse cálculo consegue determinar com precisão a rentabilidade das aplicações e, assim, planejar melhor a realização dos seus sonhos e objetivos.

Agora que você já sabe como calcular os juros compostos, veja quais são as principais diferenças entre rentabilidade e lucratividade e saiba como você pode calcular esses dois indicadores.


Luana Dennis

Luana Dennis é analista de conteúdos da WeInvest. Como uma grande entusiasta das transformações que a educação financeira e o investimento inteligente e estratégico podem trazer na vida das pessoas ela visa sempre acompanhar de perto o mercado financeiro para produzir conteúdos de alto padrão.


Posts populares: