fbpx Risco nos investimentos: Veja como proteger seu capital - WeInvest

Risco nos investimentos: Veja como proteger seu capital



Quando se trata de investimentos, aqui está uma realidade. Todos os investimentos apresentam algum grau de risco. Ações, títulos, fundos mútuos e fundos negociados em bolsa podem perder seu valor.

Mesmo investimentos conservadores e “seguros”, como certificados de depósito Bancario (CDB) trazem riscos mesmo que poucos, pois o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) garante até 250 mil reais investidos.

Entendendo melhor o “Risco nos Investimentos”?

Risco é qualquer incerteza em relação a seus investimentos que tenha o potencial de afetar negativamente seu bem-estar financeiro.

Por Exemplo, o valor de seu investimento pode aumentar ou diminuir devido às condições de mercado (risco de mercado).

Decisões corporativas, como expandir para uma nova área de negócios ou fundir-se com outra empresa, podem afetar o valor de seus investimentos (risco do negócio).

Se você tem um investimento internacional, eventos dentro desse país podem afetar seu investimento (risco político e risco cambial).

Existem outros tipos de risco. Quão fácil ou difícil é retirar um investimento quando necessário é chamado de risco de liquidez.

Outro fator de risco está relacionado a quantos ou poucos investimentos você tem. De um modo geral, quanto mais ovos financeiros você tiver em uma cesta, digamos, todo o seu dinheiro em uma única ação, mais risco você corre (risco de concentração).

Em suma, o risco é a possibilidade de que um resultado financeiro negativo que importa para você possa ocorrer.

O tempo pode ser seu amigo ou inimigo

Com base em dados históricos, manter um amplo portfólio de ações por um longo período de tempo reduz significativamente suas chances de perder seu principal.

Observe no Grafico abaixo, que mesmo havendo crises e variações nos preços das ações, renda fixa, títulos e ouro. No longo prazo, a média de retorno é positivo.

No entanto, os dados históricos não devem induzir os investidores a pensar que não há risco em investir em ações por um longo período de tempo.

Por exemplo, suponha que um investidor invista R$ 10.000 em uma carteira de ações amplamente diversificada e 19 anos depois vê essa carteira crescer para R$ 20.000. No ano seguinte, a carteira do investidor perde 20% de seu valor, ou R$ 4.000, durante uma recessão no mercado.

Assim, ao final do período de 20 anos, o investidor acaba com uma carteira de US $ 16.000, em vez da carteira de US $ 20.000 que ela detinha após 19 anos.

Houve lucro, mas não tanto quanto se as ações fossem vendidas no ano anterior. É por isso que as ações são sempre investimentos arriscados, mesmo no longo prazo. Eles não ficam mais seguros quanto mais tempo você os segura.

Logo, este não é um risco hipotético.

Assim, os investidores também devem considerar o quão realista será para eles sair dos altos e baixos do mercado no longo prazo.

Você terá que vender ações durante uma crise econômica para preencher a lacuna causada por uma perda de emprego?

Você vai vender investimentos para pagar cuidados médicos ou educação universitária de uma criança?

Gerenciamento de riscos

O risco de investimento não pode ser eliminado.

Mas, duas estratégias básicas de investimento podem ajudar a gerenciar tanto o risco sistêmico (risco que afeta a economia como um todo) quanto o risco não sistêmico (risco que afeta uma pequena parte da economia, ou mesmo uma única empresa).

Veja uma publicação sobre esses riscos aqui.

Diversificação e alocação de ativos.

Ao incluir carias classes de ativos em sua carteira (por exemplo, ações, títulos, imóveis e moedas), você aumenta as chances de alguns de seus investimentos fornecerem retornos positivos.

Assim, mesmo que outros percam valor.

Desta forma, você está reduzindo o risco de grandes perdas de uma única classe de ativos.

Ao diversificar, você divide o dinheiro em uma classe de ativos, como ações.

Desta maneira a diversificação, permite que você espalhe seus ativos. Resumindo, “você não coloca todos os seus ovos de investimento na mesma cesta.”

O hedge (comprar um título para compensar uma perda potencial em outro investimento), e o seguro podem fornecer maneiras adicionais de gerenciar riscos.

No entanto, ambas as estratégias geralmente aumentamos custos do seu investimento, o que elimina qualquer retorno.

Além disso, o hedge geralmente envolve atividades especulativas e de alto risco.

Como venda a descoberto (compra ou venda de títulos que você não possui) ou investimento em títulos com difícil liquidez.

Fale com um de nossos assessores de investimento e veja qual a melhor maneira de proteger seu capital.

Conheça as ferramentas:

Projeção de previdência →

Comparador de previdência →

Simulador Simples →


José Junior

Graduando em Ciências Econômicas pela PUC-Minas, sou apaixonado por Economia, Empreendedorismo, Marketing e Café. A economia deve ser simples sem ser simplista, além de necessária para todos, por isso idealizei o Boletim Econômico. Acredito que há um movimento centrípeto de que todas as áreas convergem para Economia, pois de gênio e louco todo mundo tem um pouco.


Posts populares: