Small Caps, as pequenas notáveis



Quando o assunto é bolsa de valores, ações de grandes empresas como Vale, Petrobras e Ambev vêm logo a mente dos investidores. Entretanto, papeis de empresas menores, e que sequer estão listadas no Ibovespa, índice que reúne as maiores empresas da B3, podem apresentar as melhores oportunidades de rendimentos. Nesse texto falarei um pouco sobre essas empresas que conhecemos como Small Caps. Você entenderá por que elas podem gerar altos retornos, os cuidados que você deverá tomar ao escolher uma empresa desse tipo para investir e quais são as formas de investir nelas.

O QUE SÃO SMALL CAPS?

Small Caps é um termo muito utilizado no mercado financeiro e se refere a ações de empresas que são pequenas quando comparadas as gigantes da bolsa.

De forma geral, enquadram-se nesse grupo as empresas com valor de mercado entre 300 milhões e 2 bilhões de reais (esses valores podem sofrer alterações conforme a cotação do dólar).

Sim, 300 milhões é muito dinheiro, entretanto, se compararmos uma empresa avaliada nesse valor com uma grande empresa como Petrobras que vale mais de 300 bilhões, vemos que é um valor quase insignificativo. Sendo assim, mesmo que essas companhias sejam muito conhecidas nos setores em que atuam, elas são consideradas pequenas na Bolsa.

As Small Caps apresentam menor liquidez. Além disso, para ser considerada uma Small Cap a empresa não pode estar em recuperação judicial e ter ações negociadas a menos de R$1,00.

POR QUE INVESTIR EM SMALL CAPS É UMA GRANDE ESTRATÉGIA?

Empresas como Itaú, Vale e Petrobras são escolhas comuns entre os investidores por serem robustas, tradicionais no mercado e financeiramente estáveis, apresentando menor risco de uma queda brusca nos preços de suas ações.

Entretanto a probabilidade de que companhias como essas tenham um crescimento exponencial em um curto período também é baixa, afinal, elas já estão bem consolidadas no mercado.

É aí que entra uma das grandes vantagens das Small Caps. Muitas estão ingressando no mercado ou atuam em setores ainda não consolidados e possuem um alto potencial de crescimento e excelente retorno para os acionistas.

Sendo assim, investir nas ações dessas empresas pode ser uma boa estratégia para multiplicar seus ganhos, já que a perspectiva de sucesso da companhia é proporcional à oportunidade de ganhar muito dinheiro com a valorização das ações.

A má precificação também pode se apresentar como uma vantagem. Por conta das incertezas associadas às Small Caps, e pelo fato de muitos dos maiores gestores e analistas não as acompanharem de perto, existem casos de ações que ficam anos com o preço muito abaixo do seu valor patrimonial e depois são bem precificadas.

Se essas ações são tão boas, porque nem todos os gestores investem nelas?

Mas talvez você esteja se perguntando, se essas ações são realmente tão boas, por que grandes gestores e analistas não as acompanham e não investem tanto nelas?

Já que o analista terá o mesmo trabalho para analisar uma grande e uma pequena empresa, eles optam pelas grandes companhias que já são conhecidas e estão consolidadas no mercado, e com isso, costumam ser mais procuradas pelos investidores.

Além disso, muitas vezes grandes gestores sequer conseguirão se posicionar nessas ações. Isso porque estamos falando de grandes fundos de investimento que possuem bilhões de reais.

Se um fundo desse tipo resolve alocar uma parte de sua carteira em uma Small Cap, mesmo que uma pequena parte, por exemplo, 1% (que nesse caso representa 10 milhões de reais), ele poderá influenciar no preço da ação, fazendo-a subir simplesmente porque o volume negociado foi alto. E, ao vender essas ações, ele pode derrubar o preço.

Além de distorcer os preços, os gestores podem não conseguir entrar ou, se entrarem, podem ter dificuldades para sair de ações como essa porque o volume de negociações diárias que elas possuem não é tão alto.

Ou seja, muitos gestores não investem em Small Caps simplesmente porque não conseguem entrar nelas, e não porque não enxergam potencial de valorização na empresa.

Outro ponto é que empresas pequenas são frequentemente adquiridas por seus concorrentes. Quando isso acontece, os preços dos papeis tendem a subir, devido aos ganhos de escala nas operações e maior poder de mercado.

Há vários exemplos de empresas que eram Small Caps e apresentaram um crescimento tão grande que hoje já podem ser consideradas Blue Chips (as maiores empresas do Brasil).

O CASO MAGAZINE LUIZA

Um exemplo de Small Cap que se destacou recentemente é a Magazine Luiza.

Quando a empresa abriu seu capital na bolsa sua ação custava R$15,28, hoje ela é vendida a mais de R$170,00. A ação subiu mais de 1000% enquanto no mesmo período o Ibovespa subiu cerca de 40%.

No gráfico vemos claramente como a valorização da Magazine Luiza (linha laranja) foi surpreendente e muito maior do que a do Ibovespa (linha azul).

Gráfico feito pelo site Trading View

Depois desse “boom” a empresa deixou de ser uma Small Cap para se tornar uma Blue Chip que hoje faz parte do índice Ibovespa.

O ÍNDICE DAS SMALL CAPS

Assim como existe o índice Ibovespa que contém as ações das empresas mais negociadas no mercado, existe o Índice Small Caps (SMLL) que é uma carteira teórica de ativos composta por empresas que fazem parte desse segmento, esse índice é utilizado como um termômetro do desempenho das Small Caps da bolsa.

Comparando a rentabilidade do SMLL com o Ibovespa, vemos que o primeiro apresentou um desempenho melhor, com uma variação média de 9% contra 5,6% do Ibovespa. Entretanto, sua oscilação também foi maior.

Para conseguir escolher melhor quais ações investir é importante que você saiba o seu perfil de investidor. Além disso, contar com o auxílio de um assessor de investimentos fará com que você tenha acesso às melhores oportunidades.

CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS

Se por um lado investir em Small Caps pode ser uma ótima oportunidade de conseguir retornos expressivos, por outro, pode ser uma aventura desafiadora. Isso porque, como dito anteriormente, são ações que apresentam maior risco e volatilidade quando comparadas às mais consolidadas e possuem menor volume de negociações na bolsa.

Isso faz com que possuam menor liquidez, tornando mais difícil o processo de vender os papeis quando você desejar. Ao investir em uma Small Cap saiba que você está fazendo um investimento de longo prazo, por isso, tenha paciência.

Essas ações estão esquecidas, mas se realmente a empresa possui bons fundamentos, uma hora esse investimento tende a dar certo, mesmo que demore algum tempo.

Nem todas as Small Caps apresentarão um crescimento exponencial, por isso, não saia investindo em todas as empresas desse tipo. Faça pesquisas, estude as políticas adotadas pela empresa, o setor que ela atua e as suas expectativas de crescimento.

COMO INVESTIR EM UMA SMALL CAP

Há duas maneiras principais de investir em Small Caps:

  1. Comprando ações diretamente da bolsa de valores através de sua corretora.
  2. Através de um ETF ligado a Small Caps como o SMAL11.

Para saber mais sobre ETFs e sobre o SMAL11, clique aqui.  

ENCONTRE A PRÓXIMA MAGAZINE LUIZA DA BOLSA

Assim como a Magazine Luiza, outras empresas que hoje estão cotadas a um baixo valor podem começar a apresentar uma valorização surpreendente e você não pode deixar passar nenhuma oportunidade.

Pensando sempre em oferecer o melhor para você, investidor, nós da WeInvest oferecemos assessoria gratuita e podemos te ajudar a montar uma carteira de investimentos ideal para você, que esteja alinhada com seu perfil e objetivos. Além de, é claro, mantê-lo informado sobre as futuras grandes empresas, as Small Caps que possuem potencial de valorização elevado. Para obter tudo isso, basta que você deixe seus dados conosco e entraremos em contato.


Luana Dennis

Luana Dennis é analista de conteúdos da WeInvest. Como uma grande entusiasta das transformações que a educação financeira e o investimento inteligente e estratégico podem trazer na vida das pessoas ela visa sempre acompanhar de perto o mercado financeiro para produzir conteúdos de alto padrão.


Posts populares: