fbpx Seguro de vida como blindagem patrimonial e planejamento sucessório - WeInvest

Seguro de vida como blindagem patrimonial e planejamento sucessório

seguro de vida

Sabemos que com o passar dos anos o investidor começa a se preocupar com uma maior proteção de seu patrimônio, para assegurar a estabilidade financeira para si e para sua família. Dentre os diversos produtos financeiros que um investidor pensa em adquirir, certamente, o seguro de vida é um dos que são primeiramente cogitados. No entanto, alguns investidores, em especial com um perfil mais arrojado, pensam que seguro de vida pode acabar sendo um ativo que aloca um capital que poderia ser rentabilizado em produtos de renda variável. Para quem acha que o seguro de vida é uma ferramenta supérflua, aqui vão alguns pontos de vista que deixam o seu Planejamento Financeiro mais robusto e consistente quando está protegido no curto, médio ou longo prazo.

Seguro de vida: o que é?

Seguros de vida são ferramentas financeiras a serem consideradas ao se fazer um Planejamento Sucessório ou Blindagem Patrimonial. Isto porque são contratos que protegem suas finanças/patrimônio e garantem estabilidade financeira para sua família ou seus dependentes, seja no caso de uma ausência precoce ou até mesmo diante de algum risco em vida, como por exemplo Doenças Graves ou Invalidez.

No Brasil apenas 5% da população tem seguro de vida – ao passo que nos Estados Unidos, por exemplo, o número chega a 60%. Tendo isso como referência, a RIVA Investimentos viu a importância de criar uma área especializada neste seguimento: A RIVA Planejamento e Proteção Financeira.

Sendo uma excelente ferramenta de proteção para aqueles investidores que estão na fase de acumulação de riqueza, o Seguro de Vida garante que os beneficiários recebam um recurso líquido e imediato em caso de grandes riscos ao segurado. Recursos esses, que estão isentos de IR e são impenhoráveis (Art.794 Lei Nº10.406 10/01/2002)

O recurso líquido servirá para quitar as despesas com o inventário, como honorários advocatícios, taxas de cartório e o ITCMD, Imposto de Transição Causa Mortis ou Doação, cujo valor varia de acordo com o estado da federação, indo de 1,5 a 8%.

Por que eu deveria considerar o seguro de vida?

O seguro de vida é amplamente buscado por clientes que têm boa parte do patrimônio em bens de baixa liquidez, como imóveis, obras de arte e empresas, pois garante ao segurado ou seus familiares a liquidez necessária para passar por um momento turbulento sem dilapidação de patrimônio.

Já para o perfil de clientes que tenham alta liquidez, a proteção se faz necessária também para que esses recursos não sejam acessados diante de riscos que exijam liquidez imediata, ou seja, o seguro protege inclusive os investimentos do segurado.

Alguns seguros de vida ainda possuem a característica de acumulação de reserva financeira que pode ser resgatada em vida pelo segurado, o que pode ser interessante quando o/a acumulador(a) de fortuna atingir o patrimônio desejado, ou julgar não mais ser necessário a proteção vitalícia de uma apólice.

Mas o seguro de vida não precisa necessariamente ser pessoal. Existem diversas opções de seguros de vida familiares, empresariais e grupais, por exemplo.

Vale se atentar ao fato de que a maioria das seguradoras estipula como máxima a idade de 65 anos para se celebrar contrato frente a uma seguradora, motivo pelo qual o contrato deve ser feito o quanto antes, já que em linhas gerais quanto mais jovem, melhor a saúde e a aprovação da análise de risco prévia se torna um pouco mais rápida e fácil.

Atualmente existem diversas maneiras de contratação de proteção financeira através de seguros de vida, como por exemplo através de instituições bancárias, empresas de assessoria financeira ou com corretor de seguros. O diferencial de se contratar junto a uma empresa especializada em assessoria financeira, é poder contar com um profissional altamente preparado e que fará um diagnóstico personalizado de real necessidade de cada cliente, levando em consideração seu perfil, estilo de vida, profissão, renda, entre outros fatores.

Portanto, se você ainda tem alguma dúvida ou gostaria de fazer um Planejamento Sucessório ou Proteção em Vida dos grandes riscos entre em contato com nossos especialistas.


Clara Sodré

Graduanda em Relações Internacionais com especialização em mercados financeiros, copywriting e comércio exterior. Pesquisadora voluntária em cooperação internacional europeia. Monitora no núcleo de Economia Política Internacional. Apaixonada por educação financeira e produção de conteúdo.


Posts populares: